Resenha Orgulho e Preconceito

 Eu  confesso que tenho  um certo fascínio pelos clássicos e seus autores.  Muitos títulos despertam minha curiosidade e surge a  vontade de mergulhar  no  universo do autor em questão. Quero desvendar esse novo universo e entender o que faz desse determinado livro um Clássico.   E o  nome Jane Austen estava na minha lista mas, eu ia protelando e sempre tinha uma outra leitura na fila

Orgulho e Preconceito
Jane Austen
Editora Martin Claret  

 

A fama de serem ” livros difíceis”   acaba afastando muita gente dos Clássicos, mas assim que  decidimos romper essa primeira barreira,  temos grandes chances de sermos surpreendidos positivamente. E foi exatamente isso que aconteceu  comigo, não somente  com a Jane,  mas com muitos outros autores clássicos.

E comecei logo pela obra mais aclamada,  Orgulho e Preconceito, publicado originalmente em 1813.

 imagem retirada do Pinterest 
 
 
 

 

E  já no primeiro parágrafo, Jane me surpreende com sua ironia e crítica aos costume da época.  Logo de cara,  fui fisgada!  

E ainda nas primeiras páginas, Jane surge com mais uma citação sensacional: 
 
 
“A felicidade no casamento é questão de puras sorte …As diferenças se acentuam com o tempo até se tornarem insuportáveis, e é melhor conhecer o mínimo possível dos efeitos da pessoa com quem teremos de passar a vida.” pg. 29
 
A essa altura  eu já estava absolutamente convencida  de que não se tratava de um romance sem graça e começava a entender e admirar a escrita de Jane Austen. Não foi necessário nem ao menos concluir a leitura para entender a razão  de tanta admiração por essa autora e por essa obra escrita há mais de 200 anos. 


E lendo sobre sua biografia  fiquei ainda mais impressionada com essa autora que começou a escrever aos 12 anos de idade e faleceu tão jovem. E o mais triste, nunca se casou e viveu um amor frustrado.
Como amante de  História em geral e viciada em Dontown Abby,  me deliciei com as descrições e os costumes da época. As trocas de cartas, os bailes, os encontros amorosos, as regras de etiqueta, as diferenças de classe social… um universo realmente fascinante. 
 
Fiquei tão encantada pelo universo criado pela autora que  não senti dificuldade com a linguagem, pelo contrário, a leitura fluiu muito bem. Os toques de humor e a sutileza na ironia deixam a leitura leve e agradável.
 
O que de fato, pode tornar a leitura cansativa no início, é o uso dos título de nobreza como forma de tratamento entre os personagens.  Esse costume da época,  deixa o leitor meio perdido no inicio,  mas logo se  percebe  quem é quem na trama.
A mocinha é forte e decidida, capaz de questionar as regras impostas pela sociedade e enlouquecer a mãe.  Inclusive os momentos mais divertidos do livro são trechos envolvendo diálogos de  Lizzy com o  pai e  a mãe. 


O senhor Darcy é o  melhor partido da região, porém mostra-se sempre distante e  frio.  Inicialmente, Lizzy é só antipatia e irritação em relação a Darcy, mas aos poucos as coisas mudam.  O romance mostra que as coisas nem sempre são  o que parecem e que alguns julgamentos podem ser precipitados.  

Adorei  a  reviravolta  de Darcy, que passa  de vilão a mocinho.  Os personagens são muito bem construídos e tem um misto interessante de sentimentos envolvidos. 

 
Também adorei o final, quando Jane vai além do” Felizes para sempre” e descreve um pouco mais o desenrolar do destino dos personagens. 
 
O romance realmente é bem rico,  pois não  se prende apenas a relação Lizzy e Darcy, tem uma  série de coisas acontecendo ao mesmo tempo envolvendo as irmãs Bennet.  Tem  fuga, tem escândalo, tem casamento, tem amor que enfrenta várias dificuldades até a felicidade, e muito mais.
 
Algumas citações desse grande Clássico:

 

“Só pense no passado quando as recordações lhe trouxerem prazer”. pg 362


… em casos como este, a boa memória é imperdoável.  
“Porém você  me mostrou como eram insuficientes todas as minhas pretensões de agradar uma mulher digna de ser agradada.”  pg. 363


“Já está resolvido entre nós que vamos ser o casal mais feliz do mundo”.  pg. 367

 E o livro foi devidamente registrado no meu Diário de Leitura
Usei umas imagens que retirei da internet e imprimi em papel fotográfico.
Obrigada pela visita! 
Anúncios

3 comentários sobre “Resenha Orgulho e Preconceito

  1. Que máximo Pati! Passei aqui para te avisar que postei no meu blog o livro lindo que você me deu, e me encontro com nossa amada Jane, de supetão!! Hahaha! Adorei seu post! Será no próximo livro né?
    Beijos!!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s